Sustentáculo de Trump, Fox News se volta contra ele e resiste à pressão

Maggie Haberman, a repórter que começou cobrindo Trump no New York Post e prossegue no New York Times mais de duas décadas depois, tuitou no início da noite: “A Fox News acaba de anunciar Michigan para Trump”.

Correu a corrigir, “com profundas desculpas”, dizendo que tinha sido “para Biden”. Após Arizona na madrugada e depois Wisconsin, a Fox News estava perto de proclamar a vitória democrata.

Minutos depois, também no Twitter, o presidente dos EUA anunciava, “para fins de Voto Eleitoral”, que tinha vencido Michigan. E a plataforma entrou então com o alerta de que “alguns ou todos os conteúdos neste tweet podem ter informações incorretas”.

Mas o confronto não estava se dando no Twitter. A expectativa maior era pela própria Fox News. Não a cobertura jornalística, inclusive projeções, mas os programas de opinião que retornaram na quarta após saltar o dia da eleição.

Sobre a cobertura, ela entrava de tempos em tempos, com destaque a republicanos como Chris Christie, contrário à estratégia de Trump de ir à Justiça, e se permitindo até ironizar o presidente. Chegou a sair de transmissão de Rudy Giuliani, seu advogado.

O primeiro programa de opinião a entrar foi The Five, cujos apresentadores se concentraram em atacar “os perdedores: as pesquisas e a mídia”, mas respeitaram o próprio canal e suas projeções.

O programa de Tucker Carlson foi na mesma linha, evitando questionar diretamente os números da Fox News e se fixando nos democratas e na mídia.

Sean Hannity, que de tão próximo chegou a fazer campanha por Trump, foi quem mais arriscou, pondo em dúvida a projeção sobre o Arizona com números que recebeu da equipe republicana.

NEM MURDOCH

Já havia sido assim, no meio da noite, quando a Fox News anunciou o Arizona para Biden e depois resistiu à pressão da Casa Branca.

Segundo o NYT, Jared Kushner, genro e assessor de Trump, ligou para Rupert Murdoch, dono da Fox News, sem sucesso no pedido para voltar atrás sobre o Arizona. Segundo a Vanity Fair, o próprio Trump ligou, também sem sucesso.

E na madrugada, quando Trump proclamou pela primeira vez sua vitória, o âncora Chris Wallace já havia criticado a intervenção “extremamente inflamatória”, em tom semelhante àquele de CNN, MSNBC e outros.

FOX-DEPENDENTE

Para jornalistas como Ezra Klein, do Vox, “a questão-chave não é se Trump contesta o resultado, mas se a Fox News o contesta, e até aqui eles não” o fizeram. Para Ben Smith, colunista de mídia do NYT, as denúncias de Trump “não têm para onde ir sem a Fox”.

ORDEM UNIDA

O Wall Street Journal, também de Murdoch, se juntou ao canal na resistência, evitando destaque às ameaças judiciais de Trump. E bancando os resultados, como na manchete “Michigan e Wisconsin são anunciados para Biden e o caminho de Trump se fecha”, no início da noite de quarta, além do Arizona.

BERNIE AVISOU

O vídeo de uma entrevista de Bernie Sanders para o programa The Tonight Show viralizou, uma semana e meia após ser publicado, com o senador detalhando como seria a tentativa da campanha de Trump de inviabilizar as vitórias de Biden em estados como Pensilvânia, Michigan e Wisconsin.

Foi parar no alto do Drudge Report, “Assista: Bernie estava certo, palavra por palavra!”.

DESASTRE, CATÁSTROFE

A Atlantic publicou que o “fracasso das pesquisas é um desastre” para serviços como 538 e o Upshot, do NYT. Mas é sobretudo “uma catástrofe para a democracia, com os dados de opinião pública se tornando inconfiáveis”. Como muitos na Fox News, disse que “há um claro perdedor nesta eleição: as pesquisas”.

NOSSO FUTURO?

Na Europa, os principais jornais alemães acompanharam em choque o que acontecia nos EUA. Para o financeiro Handelsblatt, a votação mostra que “Trump não é um acidente na história” e “o mundo terá de se ajustar, não haverá retorno à harmonia”. Também para o Süddeutsche Zeitung, “Trump não foi um acidente e, em larga medida, ele incorpora a alma de seu país”.

O Frankfurter Allgemeine Zeitung perguntou na manchete, “É esse o nosso futuro também?”, diante de tantos eleitores de Trump “indiferentes à mentira e à maldade”.

‘THE LITTLE SPLIT’

Em plena cobertura eleitoral, NYT (acima, à esq.), Wall Street Journal (dir.), Financial Times e outros levaram à home page que “filho de Jair Bolsonaro enfrenta denúncia de corrupção” que ameaça “enredar” o presidente btasileiro.

Os textos citaram ainda “apropriação indébita, lavagem de dinheiro e associação criminosa”, tentando traduzir a rachadinha como “the little split”.

Fonte: Folha de São Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *