O Corvo em prosa neurológica

Uma vez, próximo à meia-noite, eu ponderava, dilacerado, sobre meu hábito já ultrapassado. Em cochilo, com a cabeça que o pescoço mal suporta, ouviu o som de alguém gentil batendo e batendo à minha porta. “É uma visita”, murmurei, “que bate à minha porta. É apenas isso e nada mais”.

Solitário a ansiar pelo próximo dia, em vão buscava aliviar a angústia que feria. Havia as esmagadoras saudades imortais da mulher, Lenora, que agora já nem nome possuía mais. E que agora, nem ao menos um, verá jamais.

Mas, de repente, ouviu o barulho triste e misterioso à entrada de meus portais, a ruir a alma, enchendo-a de terrores anormais, em sensação nunca antes experimentada. Naquele momento, senti a mão formigar, congelei, a repetir: “É uma visita atrasada. É apenas isto e nada mais”. Enfim senti-me forte, a desculpar-me, abri os portais, sem mais hesitar. Mas a minha frente somente a escuridão a avistar e nada mais.

Encarando o escuro profundo, retido ao portal, com medo, sonhando acordado o sonho que nenhum mortal deveria ter sonhado. Mas só silêncio brutal e a quietude. Uma única palavra, minha, afora foi pronunciada em um sussurro: “Lenora?” Um eco sem vida devolveu a palavra: Lenora. Foi apenas isso e nada mais.

Voltei à sala com a alma que se esfacela. De novo escutei, desta vez à janela, batidas colossais, um impropério. “Certamente há algo atrás dos vitrais, resolvo o mistério, é só o vento e nada mais”.

Abri então a veneziana e, em meio à agitação da cortina, entrou um corvo imponente. A ave, indiferente, pousou sob um busto de Atena com a expressão eloquente. Ficou ali parado e nada mais.

Pensei que o Corvo riria da minha triste fantasia. A ave manteve a face rígida e sombria. Diante daquele pássaro vadio, perguntei em tons cordiais, qual o seu nome. E o corvo disse: “Nunca mais”.

Pus-me maravilhado com o corvo cujo nome era nunca mais. Porém o bípede continuou empoleirado e suas palavras eram sempre iguais. Ao olhar para a ave, lembrei que outros já me haviam deixado. Não haveria dúvidas de que, na manhã seguinte, o corvo partiria conseguinte, tais quais minhas esperanças rumaram fatais. E o corvo disse: “Nunca mais”.

Assustado com a repetição de palavras tão apropriadas, conjecturei que aquele ínfimo estoque, fora aprendido de um triste mestre de ideias arrependidas, a quem sofreu por um impiedoso toque da esperança corroída pelas desventuras sepulcrais. E o corvo disse: “Nunca mais”.

Mas aquilo era fantasia causada por engano que o corvo trazia. Enterrei-me na poltrona e, defronte ao pássaro insensível, pensei qual significado teria aquela ave horrível. Mas o que obtinha era os constantes sinais: “Nunca mais”.

Eu a conjecturar senti o olhar ardente do animal meu peito queimar. A luz trêmula clareava a almofada, que outrora Lenora descansava. Eu achava que ali há de se sentar quem sabe em roupas celestiais. Disse o corvo, “Nunca mais”.

Sob o ar denso, eu alucinei o cheiro do perfume que dela partia. Em meu desatino, haveria um anjo a acender um incenso celestino. “Então, existe cura para minha melancolia e outros sentimento infernais?” Disse o corvo “Nunca mais”.

“Então a mim diz quem a pôs doente? Quem a trouxe as primeiras quedas? Escuta e me atende! Por que esse céu e Deus que adoramos permitiram a ela esquecer-se de tudo, de si e alegrias legadas? No éden ela se recorda de nós em pensamentos espectrais.” E o corvo disse: “Nunca mais”.

“Confirme minhas suspeitas em razão tardia de que em ressonâncias e outros exames havia a cura escondida. A oportunidade perdida em ignorâncias e vexames a fazer a vida erodida? Erros que arrancaram esperanças reais.” E o corvo disse: “Nunca mais”.

“Retorne para o limbo, corvo, saia de minha casa sem vestígios. Ou diz se a paz de anjos veio compensar a morte crescente em presságios? Ou qual a razão de uma morte antecipar a morte completa? Faça-me saber se ela me sabia, quando dela nada mais se ouvia, se ainda havia amor de quem nem se lamenta. Tire-me a agonia que já me parte em dor, traga-me a luz de claros castiçais!”. E o corvo disse: “Nunca mais”.

E o corvo está ainda empoleirado sobre o busto de Atenas. Seu olhar demoníaco continua pairado. A luz lúgubre continua a desenhar ao chão suas sombras obscenas. Nestes desenhos funerais, o meu espirito ali abaixo se levantará, nunca mais!

Fonte: Uol – Cotidiano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *