29 de Junho, 2022

Mulher de Dom Phillips diz que corpos do jornalista e do indigenista Bruno Pereira foram encontrados; PF nega

Montagem com fotos do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips — Foto: TV Globo/Reprodução

A mulher do jornalista britânico Dom Phillips, Alessandra Sampaio, disse nesta segunda-feira (13) que os corpos dele e do indigenista Bruno Pereira foram encontrados. Eles estão desaparecidos há mais de uma semana na região do Vale do Javari, no Amazonas.

Em nota, a PF negou que os corpos dos dois tenham sido encontrados (veja a íntegra abaixo). A associação indígena Univaja, que denunciou o desaparecimento dos dois, não confirmou.

“Não confirmamos a informação de terem encontrado corpos”, disse Eliésio Marubo, assessor jurídico da Univaja.

Segundo Alessandra, após receber a informação por meio de seu cunhado, que foi alertado pela embaixada do Brasil em Londres sobre a descoberta dos dois corpos, ela recebeu uma ligação da PF que negava a localização deles..

[Correção: inicialmente, ao publicar a reportagem, a informação era de que a Polícia Federal teria ligado para Alessandra Sampaio, dizendo que teria localizado dois corpos. A PF ligou apenas para negar o achado. Quem informou da localização de dois corpos na área de buscas no Amazonas foi o cunhado de Dom Phillips, que foi avisado pela embaixada do Brasil em Londres. A reportagem foi atualizada às 17h25].

O jornal britânico “The Guardian”, para o qual Dom Phillips trabalhou, afirma que a família do jornalista foi informada da localização de 2 corpos pela embaixada brasileira no Reino Unido.

“Ele [o representante da embaixada brasileira no Reino Unido] não descreveu a localização e disse que foi na floresta e que estavam amarrados a um árvore e ainda não haviam sido identificados, disse Paul Sherwood, cunhado de Phillips, ao Guardian.

 

g1 procurou a embaixada brasileira no Reino Unido, que disse que “tem mantido contatos com a família de Dom Phillips, a pedido desta”. A embaixada diz ainda que “não se pronunciará sobre o conteúdo desses contatos” e que “informações atualizadas sobre o caso devem ser solicitadas às autoridades responsáveis, no Brasil”.

Bruno e Dom foram vistos pela última vez em 5 de junho ao chegarem a uma localidade chamada comunidade São Rafael. De lá, eles partiram rumo a Atalaia do Norte, viagem que dura aproximadamente duas horas, mas não chegaram ao destino (veja no infográfico abaixo).

No domingo (12), as equipes de busca encontraram um cartão de saúde e outros pertences de Bruno, além de uma mochila com roupas pessoais de Dom na área onde são feitas as buscas pelo jornalista inglês e pelo indigenista no interior do Amazonas.

Segundo as autoridades, o material estava próximo da casa de Amarildo Costa de Oliveira, conhecido como Pelado, o único preso suspeito de envolvimento no desaparecimento até aqui. Oliveira nega envolvimento no crime e familiares afirmam que ele foi torturado pela polícia.

-G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.