Coração da mulher

F�bio Argenta interna 1024 artigo

Até pouco tempo, havia o mito de que problemas do coração eram próprios dos homens. Uma realidade que se alterou bastante nas últimas gerações. Com a mudança no estilo de vida, as mulheres passaram a exercer um novo papel, que representou importante conquista histórica para o sexo feminino. Por outro lado, também atingiu diretamente a saúde do coração, com o consequente aumento do risco de problemas cardíacos.

Porque se preocupar

As doenças cardiovasculares na mulher já ultrapassam as estatísticas dos tumores de mama e útero. Segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), respondem por um terço das mortes no mundo, com 8,5 milhões de óbitos por ano, ou seja, mais de 23 mil mulheres por dia. Entre as brasileiras, principalmente acima dos 40 anos, as cardiopatias chegam a representar 30% das causas de morte, a maior taxa da América Latina.

Fatores de risco

As doenças cardiovasculares na mulher já ultrapassam as estatísticas dos tumores de mama e útero

Fábio Argenta

Chegada da menopausa

A menopausa é o período no qual a mulher para de fabricar o estrogênio, hormônio responsável pela manutenção do revestimento dos vasos sanguíneos.

Uso de pílulas anticoncepcionais

Sua ingestão, que em geral acontece desde a adolescência, pode aumentar os riscos de trombose, ou seja, entupimento de veias ou artérias.

Terapia de reposição hormonal

A terapia de reposição hormonal pode ajudar na prevenção dos principais sintomas da menopausa, como falta de desejo sexual e alterações de humor. Mas se torna fator importante de risco para a saúde cardíaca.

Doenças pré-existentes

Mulheres com diabetes, hipertensão e alterações nas taxas de colesterol têm maior predisposição para o desenvolvimento de cardiopatias.

Maus hábitos

A má alimentação, a falta de atividade física regular e o uso do cigarro também são condutas que ameaçam a saúde do coração.

Falta de sintomas

O infarto está entre os principais problemas cardíacos e, devido à falta de sintomas típicos do organismo feminino, pode causar o dobro de mortes em comparação com os homens.

A mulher muitas vezes não sente a dor característica no peito. Sente apenas cansaço, náuseas, dor na parte superior do abdômen, nas costas e no pescoço. Isso dificulta o diagnóstico, fazendo com que o problema cardiovascular passe facilmente despercebido.

Como cuidar

* Alimentação – busque uma dieta equilibrada e saudável

* Mantenha o peso ideal

* Não exceda no consumo de bebidas alcoólicas

* Pratique exercícios físicos regularmente

* Não fume

* Faça acompanhamento médico periódico, sempre avaliando os índices de colesterol e aferindo a pressão arterial.

Pequenas mudanças na rotina feminina são capazes de evitar oito em cada dez casos de doenças cardíacas!!!

Fábio Argenta é médico cardiologista, especialista em hipertensão arterial, em Clínica Médica e Medicina de Urgência, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso, representante do Estado no Departamento de Hipertensão Arterial da SBC e conselheiro e membro da Educação Médica Continuada do CRM-MT. Escreve quinzenalmente este espaço, com exclusividade.  Registros: CRM MT-4194 e RQE 2859. E-mail: fabio@mediodonto.com

Fonte: RDnews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *