Candidata a Vice-prefeita de Rondonópolis defende Gestão Pública articulada para a melhoria de vida da população

Conheça um pouco mais da história e ideais da Professora Bia, candidata a vice prefeita de Rondonópolis pelo Partido dos Trabalhadores.

Sou Bia Oliveira, professora no Curso de História da Universidade Federal de Rondonópolis e Candidata a Vice-prefeita do Município de Rondonópolis pelo Partido dos Trabalhadores.

Moro no Jardim Rondônia, na Rua Guarapuava, sou paranaense, nascida no município de Campo Mourão de onde migrei com minha família para o estado de Mato Grosso do Sul ainda na adolescência.Cursei História na UFMT/Rondonópolis (1997-2001).

Atuei como professora na Educação Básica do Estado de Mato Grosso do Sul e atualmente sou Professora Adjunta no Departamento de História da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) e no Mestrado Profissional em História (ProfHistória/UFMT/Cuiabá).

Fui Chefe do Departamento de História (UFMT/Rondonópolis), Coordenadora do Curso de História (UFR), Coordenadora do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/História/Rondonópolis).

Fiz Doutorado em História pelo Programa de Pós-Graduação em História, Territórios e Fronteiras da UFMT, (bolsista da Capes 2012 – 2014). Sou Mestre em História pelo mesmo Programa de Pós-Graduação com bolsa financiada pelo CNPq.Também sou Especialista em Ensino de História pela Universidade Federal de Mato Grosso (Campus Universitário de Rondonópolis).

Aceitei o desafio de me tornar candidata a Vice-prefeita do município porque acredito que é possível melhorar a qualidade de vida das pessoas que moram nesta cidade, por meio de políticas de administração pública voltadas para o bem viver na cidade e no campo. Isto motiva a construção coletiva do Partido dos Trabalhadores para o município de Rondonópolis. Nosso projeto para o futuro da cidade e do campo rondonopolitanos considera que vivemos em tempos difíceis.

A pandemia ao redefinir a existência da humanidade, nos colocou a necessidade de pensar formas de administração criativa, que vá além dos projetos estruturais, que coloquem a diversidade social, e o bem viver como foco de atuação da gestão municipal.

A cidade que queremos também precisa ser pensada por cada uma e cada uma de seus moradores e de suas moradoras, a humanização do espaço público passa pela geração de empregos, pelo respeito à diversidade social, pelo incentivo ao lazer e pela valorização dos agentes culturais.
Saúde e Educação precisam ser pensadas a partir de uma perspectiva humanizada, sem perder o foco na importância da transição ecológica do município para o século XXI, por meio de estratégias de uso da tecnologias que, ao mesmo tempo que permita pensar estratégias para conservação ambiental, possibilitem a geração de emprego, promovendo o desenvolvimento inclusivo.

Tudo articulado à valorização dos Direitos humanos e de políticas específicas para Mulheres e para a Promoção da Igualdade Racial. Mulheres, Negros e Negras, População Indígena, precisam ser pensados na elaboração de Políticas Públicas que tenham como foco o combate ao racismo e ao machismo, o que só é possível por meio de estratégias balizadoras das ações de gestão, em defesa da igualdade étnico-racial e de gênero.

Um enorme desafio dos tempos atuais está em pensar uma cidade para todas e todos, relacionando intrinsecamente campo e cidade, o que para nossa gestão se constituirá em compromisso fundamental por meio do aprofundamento da democracia e da participação popular, que deverá seguir na contramão de um processo de exacerbação do conservadorismo em nível internacional, do avanço do autoritarismo na América Latina e do aprofundamento da intolerância no Brasil.

Fonte; assessoria de imprensa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *